dez 28 2003

Tagarelando e Sussurrando…

Queria poder dizer:

Já que eu mesmo não posso fazê-lo, olhe em meus olhos e veja o quanto te amo; e o quanto sofro por isto.

Mas em meio ao silêncio somente ouço:

With or Without You
-U2

See the stone set in your eyes
See the thorn twist in your side
I wait for you
Sleight of hand and twist of fate
On a bed of nails she makes me wait
And I wait without you
With or without you
With or without you

Through the storm we reach the shore
You give it all but I want more
And I’m waiting for you
With or without you
With or without you
I can’t live with or without you

And you give yourself away
And you give yourself away
And you give, and you give
And you give yourself away

My hands are tied – my body bruised
She’s got me with nothing to win
And nothing left to lose

And you give yourself away
And you give yourself away
And you give, and you give
And you give yourself away

With or without you
With or without you
I can’t live with or without you

› Continue lendo


dez 26 2003

Estrela, Estrelinha

Claro que eu tomei um susto (eu mesma podia identificar centenas de erros e faltas no meu trabalho), mas os professores pareciam considerar todos os erros como “detalhes” e faltas menores em vista do corpo do trabalho. Adoraram o meu envolvimento com a pesquisa, perceberam o meu esforço e a busca por um texto mais sincero e responsável que uma elfa sonhadora e idealista podia alcançar…
Palavras da minha grande amiga, a Dani, que acaba de ser aprovada em Artes na Unesp com um grande e merecido 10 em seu trabalho de conclusão.
Parabéns estrelinha, e todas as felicidades para você.

› Continue lendo


dez 26 2003

Me Sinto Envelhecer

“Vi a alma tremular nos olhos dela. Ela me viu – me viu mesmo – e viu a mãe antes de morrer. Olhou para nós um instante e então sua alma jovem voou, suave como uma asa na escuridão, e com tão pouco tumulto quanto a chama de uma vela soprada por uma brisa… agora o coraçãozinho simplesmente desistiu de lutar. Mas ela me viu primeiro. Sei que viu. viu e depois morreu, e passei os braços em volta dela e da mãe e chorei como uma criança.”
– O Inimigo de Deus, de Bernard Cornwell

Me sinto envelhecer junto a Dervel, o narrador da história. Quando começou a contá-la era apenas um jovem a seus quinze anos e, agora ele já tem 32.
Me inflei com seus sucessos, me regozijei na sua felicidade e agora também desfaleço nas suas perdas.
Me sinto envelhecer junto a ele.
E o livro vai terminar, um dia… breve.

› Continue lendo


dez 22 2003

Juramentos

“Como Ceinwyn costumava dizer, para um homem que afirmava odiar juramentos, ele gostava demais de fazê-los.”

Sempre me vangloriei pelo meu porte guerreiro, pela minha pré-disposição para a batalha, e quando a força se mostrou realmente necessária eu fraquejei. Diante do inimigo eu retrocedi e fugi, me enfureci e me atirei em seus braços.
Quebrei minha honra, deixando que ferissem alguém que amo e parti um juramento antigo, erguendo a mão contra o meu próprio sangue.
Honra e respeito, dilacerados em dois dias.
Agora eu sofro, com os braços ainda latejando por causa do azulejo gelado. Dormi um sono repleto de arrependimento e acordei com a consciência da minha falta.

› Continue lendo


dez 17 2003

Perda…

Então se foi,
novamente…
como uma lança que deixa o peito,
abrindo um vazio dolorido e sangrento.

Vazio que sinto a noite
com a cabeça no meu travesseiro
coberto das lágrimas que não chorei
das cinzas do que não se foi.

Algo ficou,
perdido no passado,
como pequenos lampejos de luz e conforto
na noite fria e sombria.

Lembranças,
cacos despedaçados,
de uma alma que ainda grita
pelo toque de sua mão.

› Continue lendo


dez 16 2003

And the hope in my heart is dry…

a review of Lacuna Coil

Um dos maiores ícones do metal gótico, a banda italiana Lacuna Coil tem um repertório repleto de músicas melancólicas e entristecidas, com menor ênfase a revolta ou a morte do que aos sentimentos humanos.
Música de fácil digestão na voz da bela Cristina Adriana Chiara Scabbia, que em muito supera o resto da banda. Apesar de muito boa, não extrai da vocalista todo o seu potencial. Alguns acordes são bastante bruscos, outros suaves… de uma certa maneira, isolando-se o instrumental assemelha-se a música clássica, mas não lírica.
A maior parte das músicas é cantada em inglês, das quais recomendo Falling, Falling Again, When a Dead man Walks, To Myself I Turned e Angel’s Punishment; mas possuem algumas em italiano também, como Senzafine e Un Fantasma Tra Noi.

Falling Again

I lay, looking at my hands
I search in these lines
I’ve not the answer
I’m crying and I don’t know
Watching the sky
I search for an answer
I’m free, free to be
I’m not another liar
I just want to be myself…myself

And now the beat inside of me
Is a sort of a cold breeze and I’ve
Never any feeling inside
Ruining me…
Bring my body
Carry it into another world
I know I live…but like a stone I’m falling down

I pray, looking into the sky
I can feel this rain
Right now it’s falling on me
Fly, I just want to fly
Life is all mine
Some days I cry alone,
But I know I’m not the only one
I’m here, another day is gone
I don’t want to die…?
Please be there when I’ll arrive, don’t cry…please

› Continue lendo


dez 15 2003

vida besta

retirado do 2uísque:

‘eu nunca perdi ninguém.’ – disse ela.
‘eu nunca tive ninguém.’ – disse ele.
os dois não se conheciam, nem se conheceriam, jamais. ele, na frente de seu espelho manchado, ela no hospital.
vida besta.

› Continue lendo


dez 14 2003

Porque eu odeio o futuro…

Ele traz insegurança e dúvida. Por isto eu me prendo ao presente, ao hoje. E o hoje trouxe somente cinzas e penas partidas.
Mas eu também gosto do passado… nele ficam todas as boas lembranças, que eu vou guardar com carinho.
Não gosto do futuro, porque com ele vêm a esperança e sua espada fria. Esperança de que caiam certas muralhas, restrições, limitações, virtudes… fardos pesados demais para um só amor.

Sváss, ainda te amo, embora tenha que aprender a viver sem a paixão!
Povo, não esperem muito asukar nos próximos posts. Sr. Fel está retornando.

› Continue lendo


dez 12 2003

Fatos

O túnel continuava imerso na escuridão e Nagen avançava, a passos lentos, com uma das mãos erguida contra a parede…

Ás vezes eu me pego pensando o quanto posso ser um mal amigo. Eu fico esperando que eles me procurem, que se lembrem de mim, e eu mesmo não correspondo a altura. Melhor amigo? Nunca quis classificar um amigo como melhor ou pior, e na ânsia de agradar a mim mesmo e aos meus “mais chegados”, separei-os em categorias.
E os círculos se quebram, e as palavras, que outrora tiveram significado, se tornaram sombras esquecidas no passado.
Tenho medo que se repita, com minha sváss também.
Fadado ao abandono?

› Continue lendo


dez 11 2003

Delicadeza

Esta escrevi para uma amiga minha, uma amiga muito especial. Creio que ela não lê meu blog, portanto dificilmente saberá desta. Mas,… fica meu desejo de poder ajudá-la.

Perto daqui há um monte, alto e íngreme
com uma encosta escarpada voltada ao mar,
no topo do qual uma flor nasceu.

Uma bela flor delicada e suave
que só desabrocha ao luar,
oculta na escuridão, livre na brisa noturna.

E todo o povo vai até ela
com suas lamparinas multi-coloridas
e de suas pétalas adivinham as cores
mal sabendo dos reflexos de suas próprias luzes.

Doce flor de pétalas frágeis
queria eu poder levar-te ao jardim secreto
donde todos podemos revelar nossas cores,
mas temo despadaçar-te entre minhas mãos.

› Continue lendo