mar 31 2004

Fog On The Barrow-Downs

“No!” said Frodo; but he did not run away. Trembling, he looked up to see a tall, dark, and handsome figure silhouetted against the stars. It leaned over him, and Frodo felt his knees grow weak. He thought he saw an appraising glimmer in the two pale eyes gazing intently down into his own, and he stood transfixed, silently yearning for he knew not what. Then strong, manly hands seized him, and a body hard as iron bore against him, pressing him insistently to the ground, and he remembered no more.

He awoke feeling curiously sticky, and, even more curiously, strangely satiated. He had no desire to move, but was content to lie as he found himself: naked, on the ground, his clothes scattered around him, a crushed cigarette butt smoldering in a bare patch of dirt.

And, sure as deus ex machina is a fantasy writer’s best friend, came the answering call…

– Lord of the Rings – Book I, Chapter 8: Fog On The Barrow-Downs, John Ronald Reuel Tolkien

Tom Bombadil… salvando os hobbits na Colina dos Túmulos.
E eu?

› Continue lendo


mar 29 2004

Pedido

– Eu quero que você se afaste

› Continue lendo


mar 26 2004

Brincando com a Morte

Então ela me disse:
– Cortei meus pulsos, estou sangrando.
e eu podia ver arrependimento em seus olho
– Vem comigo?

Lembrei de todas as vezes que a vida me apunhalar
e eu buscara meu consolo nos braços da morte.

– Não – disse resoluto – eu amo a morte,
e tomá-la para mim sem seu consentiment
seria como violentá-la.

Cometeria um estupro contra alguém que você ama?

› Continue lendo


mar 25 2004

Out of the Sun

San Sebastian, recompilado

Eu tentei, por Deus como tentei,
voltar meus olhos para além,
dar as costas a criatura mais bela
que em meu caminho encontrei.

Ela é tudo que sempre sonhei,
mas agora meu céu se torna cinzento
porque ela me fez enxergar
que tudo que desejei era demais para mim.

E a cada dia vindouro
terei de viver na sombra,
longe do brilho de meu amor.

E agora desposo a luz
e me recolho com ela
ao meu leito distante da luz.

› Continue lendo


mar 24 2004

English

eu simplesmente adoro a língua inglesa… ás vezes você tem uma idéia e junta palavrinhas para exprimir um conceito e… funciona!

véxo is an unlovable person

› Continue lendo


mar 23 2004

Uivando

Assisti Sobre Meninos e Lobos neste final de semana. O filme me surpreendeu demais. Eu realmente não esperava o clima em que fui envolvido.
A história é tão simples e crua quanto o concreto do asfalto, e quase tão cruel.
Porque temos que crescer? Porque os amigos se vão? E porque eles se voltam?
Me sinto um lobo das estepes, solitário e amargurado, perguntando se não sou eu mesmo o caçador e a presa.

Talvez nem um nem outro… mas acho que nunca me senti tão só. Bem diferente do solitário de meses atrás

› Continue lendo


mar 22 2004

Duas Penas II

Milady Makura Heartilly e Sir Véxo Wingless

O que é isso?
Já não mais sei, apenas sinto o que creio ser a Dor
Uma das mais nobres entre Eles
Luzes de realidade te dizem quem realmente são
Enquanto eu apenas tateio nuances na sombra
Já não sei mais o que dizer
Essas pedras nunca me foram gentis
E os meus tombos sempre inevitáveis
Nos teus olhos sempre houve a notoriedade de quem sabe o que faz
Lágrimas vertidas não indicam o caminho a Eles
Achei que tu eras parte da solução, mais revelaste ser parte do problema…

Talvez,
tenhamos sido cautelosos, contidos demais
e na ânsia de nos protegermos,
limitamos-nos a nos doar pouco
e creio que desta maneira
eu não tenha correspondido
a todo aquele que teu coração almejava…

Agora sofre
da dor que Eles consideram nobre,
… sofro,
por causa das sombras e incertezas
que Eles transpuseram entre nós,
… sofro,
por negar-te uma resposta,
um apoio seguro contra tuas quedas
… e sofro,
por me descobrir incompleto
sem a tua presença.

Olhares às chagas não letargem o apressado definhamente
Meu pesar incauculado já não se comporta em meu peito
Devo abri-lo…
Liberta-lo e libertar a mim mesma
Pulso…
Meu coração palpitante tenta me engana
Mas sei que já não posso continuar aqui, entretanto ele não se importa
Podes tentar me impedir agora, ingrato!
Mas nada poderá me impedir no ápice de minha flagelação
Nada mais pode me separar do meu ultimo desejo

Não ousaria apartá-la de teu objetivo,
ao contrário…
ainda que haja fracassado
e seja culpado de tua queda,
jamais ousaria obstruir teu caminho.
Irei, em contrapartida,
tal qual um cão fiel ou servo calado
acompanhar-te, seguir-te,…
mesmo que me negues ou rejeite.
Pois tenho uma dívida para contigo,
e devo pagá-la,
embora sabendo que isto nunca repararia,
ou mesmo me isentaria da culpa
do meu crime…

Minha doença já não possui cura
À angustia não há mais apartamento
Devo cair calada, violada por minhas próprias manipulações
E nem um murmúrio de arrependimento devo articular
Ponto final.
Decisão tomada, não há maneiras de voltar
Eles…
Me libertarei Deles e de tua fugacidade em meus delírios
Não serei mais perseguida por figuras passadas
Finalmente livre!
Finalmente… só.


Livre enfim, mas jamais só.
Não deixarei que te arremesses ao abismo
sem que eu me jogue atrás,
não deixarei que te atires ao martírio e a dor
sem que eu me lance aos teus pés
não deixarei que adoeças, que te envenenes
sem que eu compartilhe tua enfermidade,
mesmo que eu a tenha provocado.

Tuas manipulações, teus crimes,
não aproximam-se da minha pérfida violação,
planejada, arquitetada e executada
em frieza impiedosa.
Pois joguei com a tua consciência,
com tuas virtudes e teus defeitos
e apostei tua alma,
que perdi… a Eles.

Sem mais delongas, está chegada a hora
Ao brilho cativante da lâmina devo me entregar, é minha sina desde o útero
Que Deus me perdoe, mas não há mais saída ou razão para procurá-lo
Não há mais sentido nem em levantar-me de meu leito
Quando mais de sair de meu estado delirante

De quando em quando planejava e testava minha fuga gloriosa
E agora, em fim, a trago para a realidade
Nunca sentira antes esse fulgor esvaindo de minhas veias
Essa sensação mórbida e tranqüilizante
Já não sinto mais o bater desajeitado de antes…
Deveras, sem dor…

› Continue lendo


mar 19 2004

Verde

O dia está tão cinzento hoje, a chuva lá fora deixa tudo tão triste e sem cor.
Mas eu sou um chama verde em meio a chuva. Da cor dos meus olhos, dos verdes campos de Rohan na camiseta que estou vestindo, na cor da capa do livro de contos irlandeses que estou lendo.

Feliz dia de São Patrick a todos… o Ferio me presenteou um livro de contos de fadas e folclore irlandês que eu adorei.
A Dani pintou para mim uma camiseta rohirrin que vesti na estréia de todos os filmes da obra de Tolkien.
… e a Morgana desenterrou das minhas cinzas uma vida que eu não sabia que tinha.

eu sou verde!

› Continue lendo


mar 16 2004

Cavaleiro

Se eu pudesse me definir numa única palavra, qual seria?

Eu gostaria que fosse cavaleiro…
mas eu me pergunto se realmente eu poderia.

E você, se conseguisse definir-se em um único conceito, qual seria ele?

› Continue lendo


mar 15 2004

Coragem

inspirada na (ou compilada da) música de mesmo nome

Todos aqueles que pensaram que a esperança se foi
me vêm agora erguer-me sozinho dentre os destroços
Não posso mais fazer o que querem de mim,
não posso mais me render a dor e ao medo.

Então o vento carrega o meu grito pelo ar
e para terras muito além das montanha
meu chamado que cavalga noite adentro,
para todos aqueles que tem esperança…

Porque as batalhas são preenchidas por aqueles
que têm coragem de acreditar, de esperar,
e se houver uma batalha, lá eu estarei.

Mas as batalhas são vencidas enfim,
por aqueles que encontram um coração,
Um coração para compartilhar.

› Continue lendo