A Promessa

O vento açoitava seus cabelos negros que curtos, chocavam-se contra os olhos e as bochechas, sequer alcançando os lábios. Eles não eram curtos nos dias vivos de sua memória.
Sobre a mesma rocha, centenas de metros sobre o oceano seus braços jaziam entrelaçados junto as costas de Leifr, seu amado. Lágrimas partiam de seus olhos manchando levemente a túnica de insígnias douradas. Ele tinha os lábios contra a cabeça dela e as mãos afagavam seus cabelos.
– Promete… retornar para mim?
– Voltarei por você.
– Promete?
– Prometo.
– Neste dia nosso amor será completo.
E então ele partiu, por sobre as névoas eternas para longe de Alfheim, montando a águia e banhado pela radiância alaranjada do poente. Partia para a guerra levando consigo a alma de Idony consigo.
– Você prometeu – ela erguia seu lamento na tarde chuvosa – prometeu retornar para mim.
Mas a única resposta era o açoite cruel da tempestade sobre as escarpas



Uma Resposta para “A Promessa”

Deixar uma Resposta