Adeus, meu Amigo

Uma estranha sensação de dever cumprido, foi o que senti quando a lâmina fria de minha espada trespassou a garganta do monstro. Meus braços foram empurrados uns contra os outros e podia ouvir minhas costelas estalando, mas a luz que furtivamente escapou do ferimento me trouxe tranqüilidade e paz.
Eu sabia que eles estavam lá fora, e lutavam também por mim. Sabia que eles não deixariam meu sacrifício em vão. Sabia, sem saber porque, que tudo ficaria bem novamente. Eu havia triunfado.
O sorriso de Katheryne brilhou outra vez no escuro, lembrando-me de porque eu lutara. O reino estava ameaçado, meus amigos eram caçados, mas diante disto tudo protegê-la ainda era minha prioridade.
Era mais do que dever ou devoção, era amor.

E, no final de anos de campanha, terminou-se. Estes foram os últimos pensamentos do meu personagem. Sinto um orgulho estranho dele, pois sei que ele é um vitorioso, mas sinto não poder mais vê-lo novamente.
Adeus, Harold Audrey, amigo. Que os céus te conservem em paz e que teus feitos durem a eternidade de um reino, um reino de fantasia.


Deixar uma Resposta