jan 17 2005

Profund Darkness

A noite caiu, mas não como as noites anteriores;
era verão mas fazia frio, um frio estranho,
e tudo parecia tão distante e difuso…
Uma garra ruim estendeu-se por sob as cobertas,
e com força sufocou meu peito,
trazendo a tona os temores muito profundos.
Eu vi muralhas desmoronando novamente
lâminas se partindo contra o meu peito
e uma queda na escuridão sem fim.
E eu quis reagir, quis gritar e revidar
com minhas próprias garras e presas,
e com fúria…

A escuridão completa só existe no coração do homem.

› Continue lendo