fev 16 2005

Resenhas

1. A Busca do Graal, de Bernard Cornwell
O livro relata a viagem (e o grande desafio) do jovem Thomas de Hookton, que após a morte de seu pai, parte numa busca pelo sagrado Graal, que supostamente pertenceu a ele durante scerta época. Esta aventura o leva da França á fronteira da Escócia, e descreve seus amores e amizades, as batalhas e dúvidas de um arqueiro que recebe uma incubência divina.

2. Roverandom, de J. R. R. Tolkien
Mas sobretudo o livro surpreende por ser um conto infantil, tão diferente de livros como o Senhor dos Anéis e o Silmarillion. E Tolkien se mostra um ótimo contador de histórias. Destaque para os vários detalhes da vida do autor inseridos na obra, que pude acompanhar através de notas no fim do livro.
Desejo agora conhecer o Mestre Gil de Ham.

E no momento: Peter Pan e Wendy, de J. M. Barrie

› Continue lendo


fev 11 2005

It can’t Rain all the Time

Como diz a múscia no topo, que o Ferio fez questão de me lembrar, Não pode chover o tempo todo.
E eu sinceramente espero por isto, pois houveram dias realmente chuvosos esta semana… chuvosos aqui dentro. Mas não pode ser assim prá sempre e um dia, talvez um dia eu me mude para paragens mais secas. Mas eu não vou desistir de predizer a chuva, não ainda…

› Continue lendo


fev 9 2005

Final de Semana e Feriadão

  • finalizei a Busca do Graal, do Cornwell
  • e já comecei o Roverandom, do Tolkien
  • conversas agradáveis (e outras nem tanto) com amigos
  • alguns planos (como sempre)
  • personagens novos para uma nova campanha de RPG
  • e umas duas vindas a Blalneário (blergh!)
  • mas um saldo positivo, pois tive minha amada comigo o tempo todo

Eu descobri o paraíso, ele é lindo… e se veste de preto.

› Continue lendo


fev 4 2005

Mandamentos dos Anjos Guardiões

.sê verdadeiro
.não furtes
.sê modesto
.sê calmo
.sê destemido
.sê orato

Então eu me refugio em meu mundo, onde eu acredito que possa conservar as virtudes que tanto esforço fizeram para me ensinar. E eu me torno medroso e iludido? Rebelião!

Fazer deste mundo de sonhos um mundo real é utopia… um horizonte.

Isto deveria me estimular a desistir…

› Continue lendo


fev 2 2005

Rebelião

Há algo de errado com o mundo hoje; porque as pessoas que lutam por um lugar melhor, não acreditam que podem ir mais longe… e estão caindo.

Mas sob a luz do luar existe um caminho… para a rebelião
O mundo está fora de seu rumo… revolução
Agora, chegou o tempo para orar… aleluia
No interior de nossas mentes nós aguardamos… pela rebelião
Aqui, na terra dos sonhos, nós não obedeceremos aos mestres da razão

E o mundo gira, mas eu sigo meu caminho, enquanto meu coração se recorda o que se foi. E estou no meu caminho. É o único caminho e eu clamo por mais.

– Traduzido (de certa forma) da música Rebellion In Dreamland, do Gamma Ray
Esta música está me inspirando uma prosa…

› Continue lendo


fev 1 2005

Final de Semana

Não há do que reclamar. Sabe, a minha irmã casou no sábado a noite e a festa estava decente (para uma festa de casamento, claro) além do que eu tive que participar como testemunha da união. Eu fiquei feliz por ela, claro; porque ela tem um rumo e está perseverante em trilhá-lo.
Eu também visitei alguns amigos na casa do Antônio e estamos planejando uma nova campanha de RPG baseada nas histórias que construímos na campanha anterior. Vai ser bom jogar novamente. Julie quer jogar conosco e isto foi o que me deu a inspiração.
Ganhamos um final de semana juntos; e eu não poderia esperar mais… ela fez com que dois dias ao seu lado parecessem um paraíso.

Mas a Semana Começou…
E as más notícias já estão chegando. Tenho amigos stressados e pouco pacientes e outros decepcionados e necessitando de apoio. Eu gostaria de estar ao lado de todos, mas mesmo que eu pudesse, que diferença isto faria?
E, apesar do que eu escrevi na sexta-feira, eu não me considero intolerante ou preconceituoso. Eu não culpo as pessoas pelas escolhas que fazem (ou mesmo as julgo por isto), mas eu realmente abomino a banalidade a que as palavras “amizade” e “amor” foram submetidas.
Mas acho que mudei, e já não faço tudo o que digo. E eu me arrependo disto, de perder uma certa sinceridade e boa vontade que outrora eu possuía. Quero culpar algo por isto, mas acho que só posso conservar (ou restaurar) o que eu era mantendo-me longe deste mundo concreto e prático

› Continue lendo