set 11 2005

Se fez Lar

A luz se esvai rapidamente,
cede lugar a escuridão que chega sutil,
cobrindo-me silenciosamente em minha cama,
não pela última vez…

Haverá um amanhã,
onde o sol me banhará em seus raios
e afastará a escuridão,
para o interior de meu peito.

Haverá um amanhã,
onde os pássaros cantarão
para ouvidos que não os meus
repletos estes pelos seus lamentos de dor.

Pois a escuridão chegou,
cravou suas garras negras e gélidas,
fez-se em mim seu lar,
e tomou novamente para si minha vontade

› Continue lendo