A dama de nome Solidão

Solidão esperava por mim, deitada entre os lençóis. A luz da lua deslizava por entre as cortinas e acariciava suas curvas pálidas. Deitei-me ao seu lado e me entreguei a seus braços, sorvido por seus lábios, possuído por sua voluptuosa vontade, por seu frenético desejo. Por fim, deitou-me a cabeça em seu colo e me fez adormecer em seu abraço



Deixar uma Resposta