fev 15 2006

Sangue que o Azulejo Mancha…

Sangue que o azulejo mancha,
conseqüência de uma noite inquieta,
povoada dos quimerismos,
de sombrias manifestações oníricas,
faeries que me conduzem ao erro,
a enganação e a perda

Publicado inicialmente em 13 de junho de 2005

› Continue lendo