Paredes

Já não agüento mais as paredes caiadas de branco, já não agüento mais o meu cheiro, os meus pesadelos. Recluso em meu próprio cárcere tenho dias ocupados em frente a uma tela de vidro, planejando e executando os passos para a conclusão do meu curso. Não há notas, mas se houvessem eu teria deixado a desejar. Minha mente se transformou num caos, minha vida campo de batalha onde caído, sinto minhas penas esfarelando-se, sua maciez dando lugar a rigidez de uma carapaça alva e farpada. Osyluth. Não mais RPG, não mais praças de alimentação ou bancos de praça. Somente as paredes do meu quarto, ou da cozinha, e o cheiro da minha bile… pútrida



Deixar uma Resposta