dez 27 2006

Natal

Se eu pudesse um presente de Natal deixar ao mundo, gostaria de todas as mágoas apagar, aquelas causada pelo homem que eu fui, pelo homem que eu sou. Inicia-se um novo ano, e eu permaneço o mesmo, ciente das mágoas que ainda hei de provocar.
Desculpas? Acho que para certas coisas o pedido não é suficiente, pois as marcas permanecem profundas, de farpas encravadas.
Ouso sofrer silenciosamente minhas mãos cobertas de sangue…

› Continue lendo


dez 25 2006

Presente de Natal

Meu Natal é sorrisos, em algum lugar é sorrisos. Eu me esforcei um monte para fazer algo belo, algo tocante. Mas em algum lugar, algo singelo despertou sorrisos. E eu fico satisfeito, mesmo pelos sorriso que não posso presenciar, porque significam felicidade, para pessoas que me importam muito.
E digam que isto é piegas mas, para mim, aí está o sentido do Natal. Ebenezer Scrooge que o diga…

› Continue lendo


dez 17 2006

Coisas que já não voltam mais

  • estrelas do rádio;
  • beijo esbarrado na aula de educação física;
  • álbum de figurinhas do chocolate surpresa;
  • o chocolate surpresa;
  • cemitério sem portões;
  • David e Isabela, por diferentes razões;
  • avós; e
  • a vida.

› Continue lendo


dez 12 2006

Still falling

Ainda me vejo caindo, repleto de dúvidas e de sentimentos mal-resolvidos… mas sabe, conversando com a Amanda hoje eu pude ter certeza de que valeu a pena. Quero deixar esse mundo com esta certeza gravada no peito e as dúvidas esquecidas lá no fundo…

› Continue lendo


dez 9 2006

Um a menos

Nesta quinta-feira defendi meu projeto de conclusão de curso. Apareceu muita gente, tanto da faculdade quanto amigos, parentes e o pessoal da empresa. Bem, resumo da ópera… ansiedade, nervosismo, risadas, e a certeza de ter finalizado o curso. Aliviado, cansado e ansioso.

Impressão de que um grilhão ficou para trás

› Continue lendo


dez 6 2006

Sobre a vida

Me expressando: A vida é linda o caralho!

› Continue lendo


dez 2 2006

Não deve ferir o que não pode matar

Mas eu discordo… e continuo apontando a faca contra meu peito. Mas não alvejo o coração, cirurgicamente eu arranho meus sentimentos, e os ponho todos em revolta. Um dia talvez tenhamos que batalhar verdadeiramente, mas por enquanto meu sadismo me domina.

› Continue lendo