ago 4 2008

Distante

Cada dia mais distante…

do ponto de partida.

ago 4 2008

Agosto

Agosto amanhece, e o faz com nuvens cinzetas, uma brisa gelada e uma lua ausente; do jeito eu esperava, do modo que me lembrava.

A fogueira já está apagada quando desperto, e deixar o conforto das cobertas é um desafio, mas eu acabo por me colocar de pé. Enquanto recolho meus pertences para partir, ouço o som da chuva que se aproxima do leste.
Corro para uma árvore, e jogo o capuz sobre minha cabeça, mas a tormenta que chega não traz água alguma. O som se torna mais forte, ruidoso, e repleto de guinados enquato a sombra dos corvos preenche o acampamento.
Em poucos instantes eles desaparecem, voando em direção ao poente, deixando-me só a ponderar sobre a aura sinistra do novo mês, uma época de desgosto, repleta de ventos frios e do soluço dos pássaros.