Inocência

Acompanhei a Inocência por breves períodos em minha vida. Quieta, surgia repentinamente, cruzava rapidamente meu caminho e se ia; ás vezes trocando uma ou duas palavras. Marcou meu ser, no entanto.

Inocência tem uma beleza vítrea, dificilmente compreendida. É frágil e inspira cuidados, uma observação silenciosa e distante. Os cabelos soltos acariciados pelo vento, um meio sorriso estampado em sua face e hoje um respeitável casaco branco. Beleza vítrea, distante.

Deixei a Inocência no alto de sua torre, envolta sob o abraço da noite e parti. Para não mais voltar. Trilho caminhos entre bosques escuros e vastidões a qual não ouse sua delicada consciência conceber.

Inocência permanece no alto de sua torre, envolta em vidro e proteção para que o mundo tenha a certeza de seu eterno sorriso.


Deixar uma Resposta