Seamisai

Esta farpa de metal afiada…
Notei quando você parou de conjugar nossos verbos no futuro. Percebi também que teu sorriso, aquele que despontava no frio da manhã, não era mais para mim.

…presa numa haste longa…
Não se pode dizer que foi inesperado; que não percebemos quando tudo acabou. Exatamente como aqueles filmes que víamos no domingo a tarde, e do qual sabíamos o final.

…crava o peito e por muito…
Você se foi sem um último beijo. E tudo o que deveria ser dito estava expresso num olhar. Sua última frase uma farpa que ficou, com a tua voz e teu cheiro; impregnada em mim.

…ali permanece.
E quando o frio chega, e o amanhecer me apanha novamente, voltam a mim. E recordo que você partiu e não está mais aqui, comigo.


Uma Resposta para “Seamisai”

Deixar uma Resposta