Rhaegal

Ao cair da noite parecia pouco mais do que um filhote enrolado sobre si mesmo. Escamas mal cobriam os ossos e os abrasões, aparentes nas partes macias, provocariam pena e compaixão.

Rolou sobre si mesmo, esticando os membros, sentindo o estralar e ranger das articulações. Sobretudo doía-lhe os ombros e os dedos. Sofria com a dor e a queda outrora provocadas.

Porém, a noite trouxe um véu frio sobre seu olhos, e fez correr novamente o sangue em suas veias. Abriu as longas asas coriáceas e deixou que o vento o suspendesse, brevemente.

Ergueu a cabeça e urrou aos céus, um grito de desafio e liberdade. Era dono de si mesmo, nascido do fogo e neto da tormenta…


Deixar uma Resposta