Nenhum Porto para Voltar

– As Crônicas de Arda por Sérion

A guerra terminou. A Pedra de Eärendil foi largada ao solo e sobre ela crescem heras onde outrora regaram-lhe lágrimas. E com isto, também a Estrela Vespertina se apagou, deixando a Terra-Média sem uma luz que guiasse o fim da tarde.

No oeste brilham novas luzes, mas muito longe e apagadas pelas névoas para que eu possa desvendar. Meus olhos já não vêem além da costa, mesmo quando do alto de nossos faróis me debruço.

Também os portos cinzentos apodrecem, pois ninguém mais toma a rota para o mar bravio. E assim permaneço eu, junto a costa de Belfalas, onde a paz se faz da melancolia da maré e meu leito do pesar.


Deixar uma Resposta