E há tantos recortes dessa música…

Is something I cannot say
Is something I can’t explain […]

As palavras vão para o papel, ao invés de se dirigem a você. Preenchem as mesmas páginas amareladas que eu mantenho reservadas, observadas somente pelo tempo que escorre. Elas carregam as complexidades que eu não consigo expor, tão difíceis de representar pelo seu contínuo pulsar e espasmar.

Why I should (not) fall apart? […]

Partes de mim que eu preciso deitar ao chão. Ossos falsos, órgãos falidos que carregam um peso, mas pouco contribuem para a sobrevivência do organismo. A intervenção dói um pouco, mas me torna mais plano, e um pouco mais arguto.

Why I should (not) be at peace?

Pouco a pouco as partes no solo constituem um novo eu, orgânico mas não-vivo. E eu me percebo observando a mim mesmo, de fora da minha vida, de fora dos meus olhos. Silenciosamente a me assombrar…

  • baseado em Untouchable, Part 2 -Anathema

Uma Resposta para “E há tantos recortes dessa música…”

Deixar uma Resposta