maio 27 2007

Catarse

(…)
Existem autores meio “anêmicos” no mundo que andam confundindo o apresentar simples retratos da vida real com ter um estilo contemporâneo, assim como outros que escrevem novelas praticamente “autistas” de tão egocêntricas, achando que estão produzindo um retrato da atualidade.
(…) acredito que eu também tenha vivenciado algo que chamo de “a experiência do Lobo Solitário”. Em outras palavras, foi uma verdadeira “catarse” (purificação). Muito obrigado, Kazuo Koike e Goseki Kojima. Essa foi uma experiência realmente excepcional.
– Katsutoshi Hirayama (Editor Original de Lobo Solitário em seu volume final)

› Continue lendo


maio 9 2007

Lar

Aqui é meu lugar, minha cratera, meu canto
onde escrevo minhas gothiquisses,
palavra que não existe,
termo que tomei a liberdade de criar
para descrever meus pensamento
sobre almas que caminham sós,
almejando destinos impossíveis
alheios a um mundo
ao qual não pertencem

› Continue lendo


jul 23 2004

23 Julho sexta . 30ª semana

Amareladas as páginas
que sustentam pacientemente
a saudade que me consome
de teus lábios, teus afagos, teus carinhos.

Suportam-me silenciosas,
não reclamam ou protestam
a pena que marca com força
versos saudosos de tua presença.

Benditas sejam as páginas
cúmplices de minha dor,
patrocinadoras da minha fantasia.

Amo-as enfim
por guardarem todos os meus lamentos,
um dia talvez doces lembranças.

› Continue lendo


jul 10 2003

Vi um poeta

Ontem eu vi um poeta no ponto de ônibus. Um poeta, vejam só.
Tinha lá seus vinte e poucos anos, de calça rasgada e all star. Não parecia um poeta, de maneira alguma.
Longos cabelos castanhos e camiseta de banda de rock. Era um revoltado, destes jovens inconformados que encontramos por aí quebrando vidraças. Um poeta?
Parecia mais um poeta aos seus doze ou treze anos, de cabelo bem cortado, de maneiras respeitadoras e cheio dos “por favores” e “obrigados”. Não era um poeta.
Naquela época não usava óculos. Estes não trouxeram uma aparência intelectual, pois vieram junto com uma grande mudança de atitude. Com certeza não era um poeta.
Mas estava lá, apoiado no ponto de ônibus, onde ventava muito, tentando aquecer-se junto ao seu livro de contos. Onde estava o poeta?
Mas quando ergueu os olhos, pude vislumbrar dentro deles o brilho da fantasia, a faísca da imaginação luzindo. E seus sentimentos eram como uma fogueira que queimava alta e forte. Um poeta, eu vi um poeta.

› Continue lendo


jun 13 2003

Desafio Italiano’s

Foi um sucesso. E olha que estou escrevendo isto antes de ver a galera. Bem, espero que tenham gostado do meu texto Retalhos. Para quem não pode estar lá, aí está o link.
Comentem, afinal não só da pena vive o narrador.

E confiram o conto dos meus companheiros de pena, Ébrio e Apenas um Barman

› Continue lendo


jun 13 2003

Avisos

1. Possivelmente o Desafio Italiano’s será concluído hoje. Estão todos convidados. Devo postar a minha parte aqui. Aguardem.
Local: Italiano’s
Hora: 22:00hs (a confirmar)

2. Depois disto, quero festar. Possivelmente Open. Falar com os Stray Knights, discutir o Manual da Caça.

3. Antes de tudo isto vou tentar escrever para os Cavaleiros e responder aos emails que estou devendo.

PS: esta semana foi muito difícil, mas querem saber de uma coisa, foi muito boa, mesmo! Sem comentários adicionais, ao menos por enquanto. Torçam por mudanças.
Ainda tentando escrever gotikisses… quer dizer gotiquices!

› Continue lendo


jun 6 2003

Cultuar a Morte?

Saí de casa sem pentear o cabelo, e tou parecendo vocalista de banda pseudo-rock brasileira, hauhauhauahuahuahuahu…
Dois meses menos um dia. O desafio Italiano’s está indo de vento em popa. Talvez termine hoje.
Ser gótico é cultuar a morte? Estava pensando nisto… e o que conclui é que o triste não é morrer, mas sim desistir da vida. Óbvio. Mas isto levou minha mente a reinos realmente obscuros.

› Continue lendo


maio 19 2003

Desafio


What’s this? Coming soon!

› Continue lendo


abr 4 2003

“Um blog pessoal, um blog pessoal…”

Vocês não sabem o quanto eu ouvi este pedido nas últimas semanas. Desde que eu publiquei os Cavaleiros do Reino do Horizonte eu tenho pensado nesta possibilidade. “Ao menos você não vai precisar de psicólogo”. Eu mereço cada um que me aparece.
Bem, estreando o blog, vou postar uma pequena prosa que eu escrevi dia desses.

› Continue lendo