jul 8 2012

behind the glasses…

The world is neither fair nor unfair
The idea is just a way for us to understand
(…)

But the world is neither just nor unjust
It’s just us trying to feel that there’s some sense in it
(…)

You want everything
Another world
Where the birds always sing
Another world
Where the sun always shines
Another world
Where nothing ever dies…

– extraído de Where the Birds Always Sing, The Cure


ago 12 2011

Familiar

Empoleirava-se no alto de uma trave de cadafalso, e  já fazia dias desde minha última refeição. Contra o cinzento acima, sua penugem negra pouco contrastava e por muito pouco não deixo de notá-lo. O exílio já obrigava-me a fazer concessões, e para o estômago faminto parece haver muito pouca diferença entre um frango e um corvo.

Tendo ponderado sobre isto, cravo minha lança ao chão e encordo o arco do modo mais silencioso que posso. A madeira escorrega entre meus dedos suados, mas aos poucos dou cabo da tarefa. Separo uma única flecha reta de seta larga, sabendo que não terei uma segunda chance e, de modo mecânico, encaixo-a na corda.

O movimento seguinte dá-se em uma fração de segundo; erguer o arco e soltar a flecha torna-se um movimento só com a prática. Apesar disto, minha pontaria não parece melhor hoje do que a primeira vez que disparei. A flecha voa reta e acerta a asa esquerda do pássaro que, desequilibrado vai ao chão.

Minha habilidade para a escaramuça no entanto, aprimorou-se dia-a-dia e eu não perco o momentum. Alço a haste da lança com a mão direita e corro de encontro ao corvo. Desajeitadamente ele tenta erguer-se do solo, mas pernas e asas parecem fragilizadas pelo impacto.

Surpreendo-o pisando sobre a asa ferida. Ouço as penas partindo sob o solado da minha bota e sorrio, antecipando o gosto de sua carne sobre as brasas. Encaro seu olhar negro e recriminador como se pela primeira vez, embora certo da familiaridade que nos une.

As mãos erguem a haste sobre minha cabeça e eu desejo uma morte breve e indolor ao meu algoz. A lança desce uma vez mais,…

E então sinto o impacto no ombro me derrubando ao chão. A visão me falha, o pulso acelera e o suor escorre gélido, pelo meu peito e pescoço. Existe algo mais escorrendo, quente e abundante ombro abaixo, tornando o chão rubro. A dor é lacerante no sentido real da palavra, percebo minha carne fender-e e separar-se, afastando o ombro de seu lugar de origem.

Ergo os olhos em busca de meu agressor e então meu braço é novamente ferido, torcido e esmagado contra o solo por uma força muito superior a minha própria. Sinto os ossos estalando e partindo; a dor me chega mais quente e rubra que o sangue e ao canto do olho vislumbro um aguçado brilho metálico.

Encaro meu oponente uma vez mais, ciente do vínculo que nos aproxima. E antevejo o que virá a seguir…


fev 15 2011

O Corvo e o Lobo

Tive um pesadelo; nele o grande lobo era perseguido por um corvo que tinha em seus olhos a sabedoria de Odin. O lobo corria pela liberdade, mas a velocidade do pássaro suplantava seu vigor.

Em poucos instantes alcançou-o em um vôo rasante. Prendeu-se em seu pescoço com as garras afiadas e alçou a haste que brotava em seu peito. Em meu inconsciente o lobo tremeu pela sua liberdade. E revidou.

Abocanhou a asa da valquíria com rancor e ambos os animais se debateram em agonia. E então acordei suado, temendo o significado de minha visão…


fev 17 2009

Sobre meu túmulo

Noite passada tive um pesadelo,
onde um lobo e um corvo negro juntos
montavam guarda junto a meu túmulo
posto no alto de uma  colina fria.

Pouco além, a oeste da laje branca,
duas árvores altas cresceram entrelaçadas:
a primeira era verdejante e coberta de musgo
e a segunda, cinzenta e estéril.

Fato mais surpreendente no entanto,
a imensidão de pequenas gaiolas penduradas
que continham as mais variadas fadas e sprites.

Umas debatiam-se, outras há muito silenciaram,
sabe-se aguardando um fim ainda vindouro
ou velando uma alma outrora derrotada?


out 8 2003

Grande pássaro desajeitado

Estava devendo a foto da festa a fantasia. Bem, não estou mais. clique aqui!

Há tanto a falar que nem sei por onde começar a postar…

› Continue lendo


set 12 2003

Crá

Hoje tem festa a fantasia. Consegui o sobretudo emprestado com o Carl ontem (conversamos por quase hora), e vou vestir as penas negras e a máscara de base branca novamente.
Estou bastante ocupado e negligente com as minhas coisas: estrelinha, os Cavaleiros do Reino do Horizonte (que parece ninguém mais lê), O.C.Q.N.P.A.M.Q.Q.PA, desafio, background para a campanha de terça-feira, campanha de Falkenstein…. muitas coisas iniciadas que eu preciso concluir. E tantas outras idéias na cabeça.
Preciso parar, pensar, procurar, priorizar… perder-me em teus braços talvez.
Preciso viver, mas eu sou muito desajeitado (e medroso também).

só um grande pássaro desajeitado.

› Continue lendo


abr 14 2003

O Corvo

Corvo,
criatura cruel e blasfema,
arauto e servo da morte. › Continue lendo


abr 14 2003

Com um sorriso vejo você partir…

sabendo que você nunca saberá que eu não chorei…

Festa a fantasia no último sábado. Galera toda reunida, ou quase toda. Me preparei na casa da Ciss… ela tava de Enfermeira, contracenando com o Toni que se fantasiou de Médico. Mano Fernando foi com a gente, de “mano memo, saca”. Lá nos reunimos ao Coelho, de Sheik, o Márcio, de Fantasma da Ópera e o Carl, que tava de Mosqueteiro… o Portus, dito e escarrado.
E eu,… adorei vestir a pele de Corvo novamente. Foi uma massagem no ego. Até eu achei a fantasia legal, modéstia a parte. Extremamente sinistro e com um sorriso permanente, não importasse a expressão que eu fizesse. O sobretudo que o Carl me emprestou caiu como uma luva.
Impressões da festa: algumas pessoas faltaram. O que posso dizer? Como poderia sentir a falta delas? Outras pessoas indesejadas apareceram e me instigaram a criar confusão, mas acabou dando em nada. Aproveitei o que podia…

› Continue lendo


abr 11 2003

“Eu sou só um grande pássaro desajeitado…”

De mal a pior as coisas se tornam boas.

[ruim] FErio não tá falando comigo. Está magoado com algo que eu disse que eu sinceramente não sei o que é. Pedi desculpas por simples conveniência. Ainda estou tentando entender. Até o Coelho está por dentro da história… hauhauahuahuah. No final das contas, adivinha quem vira o vilão.
[bom] Conversei com a Will sobre um monte de coisas, muito mais sobre mim do que sobre ela. É bom a gente sentir que tem uma compensação para toda a dedicação.
[ruim] A mãe continua falando na Renata e eu a ouvir. Minha irmã não tem mesmo responsabilidade… agora ela que aguente o tranco. Sair de casa da maneira que ela saiu. O pai continua calado.
[bom] O Carl vai me emprestar o sobretudo para completar minha “segunda pele” na festa a fantasia.
[bom] A Samy disse ao Curinga que o grupo de RPG da irmã dela está usando a minha história como ponto de partida para um jogo. Fiquei surpreso… e emocionado, claro. Parece que minhas idéias não param de tomar vida, consciência própria.

FallenAngel listening Ghostrider – The Crow Soundtrack

› Continue lendo


abr 9 2003

“It can’t rain all the time…”

É engraçado como as pequenas coisas mudam a nossa vida. Nada de significativo tem acontecido na última semana mas, uma série de pequenas coisas desde ontem vem levantado o meu humor.
O pessoal está se animando para a festa de 100 dias de direito (leia-se festa a fantasia)… Vai ser muito massa… E eu, vou fantasiado de que? De Brandom Lee claro, huahau… vamos ressucitar o Corvo. Falando nisto, adivinhem só o filme que eu assisti ontem no sbt. É real… eu estava pensando na fantasia há algum tempo já e ontem, após acabar o Casseta e Planeta, uma ligeira mudança de canal e… – Perae, eu conheço este filme.
Frase da semana: “Não pode chover o tempo todo…
É engraçado como as pequenas coisas mudam a nossa vida. Encontrei uma menina linda no ônibus hoje… não que nunca a tinha visto, mas nunca havia reparado nela como hoje, fiquei fascinado. Logo que entrei ela exibia um sorriso lindo, o aparelho odontológico brilhando entre os dentes, linda. Mas o melhor veio depois, quando nossos olhos se encontraram… olhos castanhos, curiosos, furtivos… famintos!
Não, não estou me referindo ao sentido erótico da palavras… é estranho, mas dificilmente as pessoas conseguem compreender isto. Adoro garotas que me surpreendem, posso ficar fascinado por minutos, admirando sua beleza só pelo prazer que isto ne traz. Imagine um lindo por-do-sol sobre as montanhas, tingindo o céu de laranja e vermelho, no extremo oposto, o brilho das estrelas começando a se revelar. Entende agora como me sinto?
Algumas garotas têm o dom de me fascinar.
É engraçado como as pequenas coisas mudam a nossa vida.

› Continue lendo