fev 10 2015

O Tempo

Assim mesmo como as ondas avançam para a praia de pedrinhas,
Assim mesmo nossos minutos correm para seus fins;
Cada qual trocando de lugar com aquele que vem antes.
Em seqüência laboriosa, tudo vai seguindo em frente,
A natividade, uma vez já esteve no apogeu da luz,
Se arrasta à maturidade, onde sendo coroada,
Eclipses maldosos lutam contra sua glória,
E o Tempo, que deu, agora arruina o seu presente.
O Tempo trespassa o florescer que havia colocado na juventude.
E imprime os paralelos na testa da beleza;
Se alimenta das raridades da verdade da natureza,
E nada há que se levante, exceto que sua foice vá podar,
E contudo, aos tempos em esperanças, meu verso se quedará,
Louvando teu valor, apesar de sua mão cruel.

– Soneto LX, William Shakespeare

PS: com alguma inspiração extra por Inbetween Days, the Cure


jul 8 2012

behind the glasses…

The world is neither fair nor unfair
The idea is just a way for us to understand
(…)

But the world is neither just nor unjust
It’s just us trying to feel that there’s some sense in it
(…)

You want everything
Another world
Where the birds always sing
Another world
Where the sun always shines
Another world
Where nothing ever dies…

– extraído de Where the Birds Always Sing, The Cure


mar 22 2012

Soft and only…

A manhã me chega aos poucos, gélida,
com centelhas da aurora me despertando.
Devo ter adormecido por dias – penso,
e movendo os lábios, sussurro teu nome.
Meus olhos piscam repetidas vezes
antes de abrirem-se por completo.
Meu olhar desliza pelo teto à cama
e descubro-me sozinho novamente.
Abaixo de mim somente os lençóis revoltos
relembram a tormenta noturna
que roubou a única garota que eu amei
e a afogou dentro de mim.

– Inspirado por Just Like Heaven, the Cure


jul 12 2011

Um bom dia para Fugir

Ontem foi um bom dia para fugir, ligar o carro e dirigir até a beira-mar. Lá, sentar sobre o capô e vislumbrar os navios deslizando no horizonte enquanto o vento frio nos traria o inverno aos narizes, orelhas e os dedos desprotegidos das mãos.

Ontem, o celular poderia tocar, mas o rugir das ondas contra a baía afastaria todos os outros sons para longe. Seríamos nós, eu e você, o vento a cruzar o cinzento do céu erguendo as pipas do solo, afastando as nuvens e criando a espuma das ondas.

Ontem foi um bom dia para fugir, mas hoje eu me descubro sozinho em frente a um mar revolto que a maré deixou. Levou embora meu vento e trancou suas lembranças fundo em mim.

Se ainda fosse ontem, eu fugiria. Voaria contigo ao sabor do vento, para onde a vida não pudesse nos alcançar.


jun 25 2011

Elas são a Cura

Algumas das garotas que passaram pela minha vida, como amigas, cúmplices ou amores, citadas nas músicas do the Cure que me fazem lembrar cada qual:

Flávia (Just Like Heaven):
Strange as angels dancing in the deepest oceans
Twisting in the water, you’re just like a dream

Juliete (Pictures of You):
Remembering you standing quiet in the rain
As I ran to your heart to be near
And we kissed as the sky fell in, holding you close

Marina (Cut Here):
It’s so hard to think “It ends sometime and this could be the last …”
Because it’s hard to think “I’ll never get another chance To hold you…
to hold you… “

Ofélia (Charlotte Sometimes):
night after night she lay alone in bed her eyes so open to the dark
the streets all looked so strange they seemed so far away
but charlotte did not cry

Sarah (Why Can´t I Be You?):
You’re so wonderful, too good to be true
You make me, make me hungry for you


mar 4 2011

Amar-te ia

Lembra quando nos vimos pela última vez?
Você me ofereceu um abraço e um beijo
e mesmo após longos anos sem nos falar
me convidou para beber contigo?

E eu todo ocupado respondi que gostaria,
mas não havia como, não tinha tempo.
“Talvez numa outra vez, talvez em junho”.
Mas junho nunca veio.

E você me olhou daquele jeito e eu percebi
que era o mesmo olhar que eu já conhecia.
E como se não quisesse que eu me fosse,
me abraçou.

É difícil pensar que iria acabar um dia,
e que aquele poderia ter sido nosso último café.
E me dói pensar que não terei outra chance
para abraçar você.

Eu deveria ter encontrado um tempo,
ter encontrado um jeito, ter parado de pensar.
Mas agora você se foi e aquela bebida é
muito tarde para aceitar.

Quantas vezes tentei corrigir meu erro,
e voltar àquele lugar, se você ainda estivesse lá
eu desejaria que não fosse tarde demais
para voltar.

Estes versos que eu tento escrever a meses são inspirados na partida de uma grande amiga minha em conjunto com a repetição quase incessante da música Cut Here, do the Cure.


jan 3 2011

Nas entrelinhas

Trecho da música Cut Here, the Cure

“So we meet again!” and I offer my hand
All dry and English slow
And you look at me and I understand
Yeah it’s a look I used to know
“Three long years… and your favourite man…
Is that any way to say hello?”
And you hold me… like you’ll never let me go

(…)

It’s so hard to think “It ends sometime
And this could be the last
I should really hear you sing again
And I should really watch you dance”
Because it’s hard to think
“I’ll never get another chance
To hold you… to hold you… ”

(…)

But “If only….”
Is a wish too late…


set 8 2010

Cut Here

Música d’the Cure que despertou comigo hoje. Ás vezes acho que meu cérebro é uma jukebox na função shuffle.

“So we meet again!” and I offer my hand
All dry and English slow
And you look at me and I understand
Yeah it’s a look I used to know
“Three long years… and your favourite man…
Is that any way to say hello?”
And you hold me… like you’ll never let me go

“Oh c’mon and have a drink with me
Sit down and talk a while…”
“Oh I wish I could… and I will!
But now I just don’t have the time…”
And over my shoulder as I walk away
I see you give that look goodbye…
I still see that look in your eye…

So dizzy Mr. Busy – Too much rush to talk to Billy
All the silly frilly things have to first get done
In a minute – sometime soon – maybe next time – make it June
Until later… doesn’t always come

It’s so hard to think “It ends sometime
And this could be the last
I should really hear you sing again
And I should really watch you dance”
Because it’s hard to think
“I’ll never get another chance
To hold you… to hold you… ”

But chilly Mr. Dilly – Too much rush to talk to Billy
All the tizzy fizzy idiot things must get done
In a second – just hang on – all in good time – wont be long
Until later…

I should’ve stopped to think – I should’ve made the time
I could’ve had that drink – I could’ve talked a while
I would’ve done it right – I would’ve moved us on
But I didn’t – now it’s all too late
It’s over… over
And you’re gone..

I miss you I miss you I miss you
I miss you I miss you I miss you so much

But how many times can I walk away and wish “If only…”
But how many times can I talk this way and wish “If only…”
Keep on making the same mistake
Keep on aching the same heartbreak
I wish “If only…”

But “If only….”
Is a wish too late…