abr 29 2016

Sinceridade Mascarada

Foxglove trouxe da feira uma rama de hortelã,
também um pé de salsa, coentro, orégano
e uma dose generosa de sinceridade.

Plantou-os e regou-os com cuidado,
e conversou com eles de modo natural,
palavras que não eram proferidas há meses.

A hortelã temperamental murcha e retorna a avivar,
o coentro ás vezes parece querer desistir,
mas é a sinceridade mais difícil de cultivar.

Ela se apega, torna-se íntima e se faz necessária,
e no início da primavera troca suas folhas,
desabrochando as pétalas alvas de pena.


jun 2 2003

Musa

A pena percorre o branca
sem destino, sem inpiração
mas ao invés da tinta
vejo meu sangue esvaindo-se
e tudo se torna negro.
Sinto frio.

Sem o calor dos teus lábios
os meus se ressecam,
longe do afago dos teus abraços
meu corpo se retrai
e sinto-me enfraquecer.

Me concentro no branco,
tento me ater às palavras
às rimas, aos adjetivos
mas nada disso faz sentido
sem tua presença.

A visão embaça, tonteio,
pressão sanguínea caindo.
Molho mais uma vez a pena
em meu próprio peito.
Dói.

Visão turva, corpo congelado,
vejo o sangue manchando o branco
apagando meu último poema
aquele que escrevi
somente para você.

› Continue lendo