maio 24 2016

Sobre um brinde solitário

Sometimes we lose what we are caring for
and then face the day without them

Sometimes we fail to say how hurt we are
When the word we fear speaks treason

– Tonight I Dance Alone, Sonata Arctica


mar 6 2015

A typical Rhyme

Stones Grow Her NameOnly the broken hearts make you beautiful
And one has got to be mine
Only a broken heart, turned cynical
Love lost, a typical rhyme

– Only the Broken Hearts (Make you Beautiful),
Sonata Arctica


jul 28 2011

Saudosismo

– Minha mãe perguntou qual o livro você estava lendo.

É bom ser reconhecido pelos meus hábitos novamente, sejam os literários, poéticos ou boêmios. Isto me remete a uma época em que o frio imperava durante as manhãs e as noites e eu poderia ser visto vagando em silêncio, com um livro em mãos, imerso em um mundo que não o vosso.

E hoje a lembrança se aviva: há novamente um livro com páginas marcadas ao meu lado e um agasalho para as manhãs mais gélidas. Enquanto sigo errante para ou do trabalho leio contos do Neil Gaiman em Coisas Frágeis ao som melódico do Sonata Arctica.

Coisas Frágeis

– Ela disse que você estava bonito em claro.

Nunca me admirei em verdade. Não me acho narcisista ou devotado a aparência e, neste caso não acredito que era ao meu cabelo desgrenhado e barba por fazer que se referia. Mas vestia uma camisa de flanela branca e cinzenta e acredito seguramente, que o elogio se deve a meu porte e a aura que irradio quando confronto esse saudosismo envergando minhas cores cinzentas, o branco sobre negro, as virtudes sobre meus ressentimentos…


out 7 2010

Sete Mentiras Solitárias

trecho da música The Misery – Sonata Arctica

Seven lonely lies written on Deadwinter’s night,
open the only book with the only poem I can read
In blood I sign my name and seal the midnight with a tear,
burn the paper, every line for them I cried…

If you fall I’ll catch, if you love I’ll love,
and so it goes, my dear, don’t be scared, you’ll be safe,
this I swear.
If you only love me back


fev 17 2010

Os Últimos Cinzentos

Finalmente os dias cinzentos. Trazem consigo manchas negras aos meus olhos e fios opacos aos meus cabelos. A maturidade desperta a certeza de que o caminho há muito foi traçado, que a trama há muito foi tecida.

Muitas vezes a vida é limitada e sobram poucos mistérios além da morte. Os dias em que a luz fluiu radiante entre as nuvens ficaram para trás. Sinto o tempo em minhas veias, e já não posso mais correr tão rápido ou me erguer tão alto quanto outrora.

Em meus dias de orgulho, as fiandeiras julgaram-me criminoso e mentiroso, e assim declarado exigiram-me promessas e arrependimento. Promessas que devo manter, e pouco possa fazer em contrário. Apesar disto não haverá redenção ou reabilitação, nenhum caminho novo a seguir.

Como as nornas não percebem o que está errado? Como podem estar cegas à guerra sendo travada, às batalhas que me acompanham diariamente. Fecho meus olhos e imagino as glórias que não voltarão, os últimos raios de luz destacando as formas ao entardecer.


jul 12 2007

She’s dead but still I love her (in some way)

relembrando o post de um ano atrás

› Continue lendo


jun 1 2007

Pagando pelos meus pecados

leia-se ouvindo Unia – Sonata Arctica

It’s hard for me to love myself right now,
I’ve waited, hated, blamed it all on you

› Continue lendo